Uso da redução léxica e simbolos na redação de resumos de alta em prontuário do paciente

Palavras-chave: Redução Léxica em Resumo de Alta, Resumos de Altas, Prontuário do Paciente

Resumo

A redação de prontuário do paciente se efetiva, tanto pelo uso do léxico como também da linguagem de especialidade, sendo empregadas palavras não abreviadas, reduções léxicas e símbolos, independentemente do contexto das anamneses, evoluções ou resumos de alta. Observando esse fato, empreendemos uma pesquisa tendo como objetivo analisar as contribuições e/ou implicações decorrentes do uso de siglas, acrônimos, abreviaturas e símbolos na redação dos resumos de alta em prontuário do paciente de hospitais públicos do Brasil e da Espanha. Pesquisa de cunho exploratório com parte dos resultados da tese de doutorado em Ciência da Informação, tendo como lóci de estudo empírico no Brasil, o Hospital Universitário Lauro Wanderley da Universidade Federal da Paraíba (HULW-UFPB), na cidade de João Pessoa, e, na Espanha, a pesquisa realizou-se com profissionais da saúde, especialistas em documentação sanitária, que participaram do XIV Congreso Nacional de Documentación Médica e XV Jornadas Andaluzas de Admisión, Documentación e Información Médica, na cidade de Granada. A adoção da técnica de questionário (em português e em espanhol), com questões abertas, fechadas e mistas, buscou conhecer as contribuições e/ou implicações decorrentes do uso das reduções léxicas e das unidades não linguísticas na redação dos resumos de alta. Os questionários foram aplicados de forma presencial, após aprovado pelo Comitê de Ética. Na Espanha foi possível coletar os dados com 30 participantes, no Brasil a participação foi de 100 profissionais de saúde. Os resultados apontam que a padronização das reduções léxicas e das unidades não linguísticas minimiza ruídos e interferências de comunicação entre a equipe multiprofissional de saúde.

Concluímos que, a partir dos resultados alcançados, a representação das siglas, acrônimos, abreviaturas e símbolos por especialidade médica, auxiliam na compreensão desses termos de acordo com o contexto que foi empregado, facilitando a comunicação e a recuperação da informação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabiana da Silva França, Universidade Federal da Paraíba

Doutora em Ciência da Informação (PPGCI/UFPB) com período sanduíche no Institut Universitari de Lingüistica Aplicada da Universitat Pompeu Fabra (UPF-Espanha), bolsista PDSE/CAPES. Possui Mestrado em Ciência da Informação (PPGCI/UFPB), Especialização em Tutoria online e Educação a Distância (SENAC - RJ), Graduação em Biblioteconomia e Documentação (UFPB). Áreas de Interesse e Atuação: Tecnologia da Informação, Interoperabilidade, Ontologia, Plataforma Wiki, Ambientes Virtuais de Aprendizagem, Recuperação da Informação, Representação da Informação, Terminologia Médica, Neologia, Informação para Saúde, Documentação Sanitária, Educação a distância, Arquitetura da Informação, Usabilidade de Software, Jogos de Linguagem (Wittgenstein), Estudos de Genoma.

Virginia Bentes Pinto, Universidade Federal do Ceará

Professora Titular da Universidade Federal do Ceará-UFC. Bacharel em Biblioteconomia- Universidade Federal do Ceará. Doutorado em Sciences de l?Information et de la Communication- Université Stendhal-Grenoble-3-França (1999). Mestrado em Ciências da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (1989). Líder do Grupo sobre Representação da Informação- certificado pela-UFC-Pós-Doutorado em Filosofia-Tratamento cognitivo da informação-Laboratoire de l?Analyse Cognitive de ?linformation (LANCI). Université du Quebec à Montreal- (2006). Estágio Pós- Doutoral no Instituto de Linguistica Aplicada (IULA ) da Universidad Pompeu Fabra- Barcelona e Cátedra Interuniversitária de Derecho y Genoma Humano- Universidad de Deusto- País Basco (2013). Ex-Coordenadora do Doutorado Interinstitucional em Ciência da Informação- UNESP-CI-Marilia/UFC-DCINF. Colaboradora do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação das Universidades Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e Universidade Federal da Paraíba. Pesquisadora -CNPq. Especialização em Informação Tecnológica-Universidade Federal de Santa Catarina (1985). Áreas de interesse: Tratamento Cognitivo da Informação, Representação Indexal de textos verbais e não-verbais (imagens, sons), Representação do Conhecimento, Tecnologia da Informação, Informação para a Saúde, Documentação sanitária, terminologias na área da Saúde, Gerenciamento Eletrônico de Documentos, Ontologias, Bibliometria, Linguagem Natural e Controlada, Epistemologia da Ciência da Informação, Metodologia da Pesquisa, Leitura e Biblioterapia, Gestão da Informação e do Conhecimento ). Presidente da Comissão Permanente de Avaliação de Documentos (CPAD)- UFC. Membro da Comissão da Verdade da Universidade Federal do Ceará. Conjuntamente com a Profa. Ana Maria Sá, foi idealizadora e colocou em prática o PROLER-CE, tendo sido sua primeira coordenadora. Também idealizou e colocou em prática o projeto Biblioterapia no Estado do Ceará. Conjuntamente com a Profa. Juliana Buse, elaborou o Projeto do Portal de Periódicos Científicos da UFC. É Membro do Comitê Gestor do Serviço Eletrônico de Informação (SEI)- UFC. Tem livros e artigos publicados no campo da Ciência da Informação e da Biblioteconomia. Orienta alunos de graduação e pós-graduação. Possui experiência nas áreas de Ciência da Informação e da Biblioteconomia, atuando em bibliotecas universitárias, públicas, escolares e especializadas. Vice-coordenadora do PPGCI-UFC. PQ-CNPq

Rosa Estopá Bagot, Universitat Pompeu Fabra

Possui doutorado em Lingüística pela Universitat Pompeu Fabra(1999). Tem experiência na área de Lingüística, com ênfase em Lingüística Aplicada.

Referências

BENAVENT, R. A.; ISCLA, A. Problemas del lenguaje médico actual (I) Extranjerismos y falsos amigos. Papeles Médicos, v.10, n.3, p.144-149, 2001.

BENTES PINTO, V.; SILVA NETO, C. Representação indexal como mediação informal em protuario do paciente. Diálogos paradigmáticos sobre informação para a área da saúde. Fortaleza: Edições UFC, 2013.

BRASIL. Conselho Federal de Medicina. Resolução CFM nº 1638/02, de 10 de julho de 2002. Brasília: Diário Oficial da União; 09 de agosto de 2002.

________. Resolução CFM nº 2056/13, de 20 de setembro de 2013. Brasília: Diário Oficial da União; 12 de novembro de 2013.

CABRÉ, M.T. La terminología: teoría, metodología, aplicaciones. Barcelona: Antártida/Empúries, 1993.

________; ESTOPÀ, R. Unidades de conocimiento especializado, caracterización y tipología. In: CABRÉ, M. T.; BACH, C. (Org.). Conexixement, llenguatge i discurs especialitzat. Barcelona: Institut Universitari de Lingüística Aplicada: Universitat Pompeu Fabra: Documenta Universitaria, 2005.

CONSELHO Regional de Medicina do Distrito Federal. Prontuário médico do paciente: guia para uso prático. Brasília: Conselho Regional de Medicina, 2006.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo. Altas, 2002. MERTON, R. K. Sociologia: teoria e estrutura. São Paulo: Mestre Jou, 1970.

PALLEJÀ, J. F. Els informes mèdics són entenedors per a qui els ha de llegir? Llengua, Societat i Comunicació, v.10, p.53-62, 2012.

PINAULT, C. Le syndrome du bocal. Département BUCHET/CHASTEL de Méta-Editions. Septembre 2009.

Publicado
2018-06-06
Como Citar
França, F., Pinto, V., & Bagot, R. (2018). Uso da redução léxica e simbolos na redação de resumos de alta em prontuário do paciente. Tendências Da Pesquisa Brasileira Em Ciência Da Informação, 10(2). Recuperado de http://ejournal.space/tpbci/index.php/tpbci/article/view/100
Seção
Artigos