A produção científica acerca da temática LGBT

um estudo propedêutico nas teses e dissertações na UFMG

Palavras-chave: Produção Científica, Estudo Bibliométrico, Segmento LGBT, Teses e Dissertações

Resumo

A pesquisa analisou a produtividade científica no âmbito da Universidade Federal de Minas Gerais, em relação à temática de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais. O problema motivador da investigação originou-se no seguinte questionamento: A produtividade científica, no âmbito da Universidade Federal de Minas Gerais, contribui para a afirmação da temática de Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no meio acadêmico? O objetivo geral foi analisar a produção científica sobre a temática desse segmento na literatura cinzenta, no âmbito da Universidade Federal de Minas Gerais, nos Programas de Pós-Graduação e suas contribuições para a afirmação do segmento. Os objetivos específicos consistiram em: mapear dissertações e teses sobre Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais na Biblioteca Digital de Teses e Dissertações/Universidade Federal de Minas Gerais; identificar quais os programas que mais produzem sobre a temática; categorizar as áreas/subáreas de maior interesse; identificar os principais assuntos pesquisados; estudar a relação entre o que foi produzido pela Universidade sobre a temática e a afirmação do segmento. No ensejo de alcançar o objetivo proposto, utilizou-se da pesquisa bibliométrica de abordagem exploratória, descritiva, bibliográfica e documental, com análise quantitativa e qualitativa dos dados coletados nos Programas de Pós-Graduação da Universidade Federal de Minas Gerais, por meio de buscas realizadas por palavras-chave com ligação direta com a temática na sua Biblioteca Digital de Teses e Dissertações. Os resultados alcançados indicam que na Universidade Federal de Minas Gerais, a temática está presente nos Programas de Pós-Graduação em cinco das nove grandes áreas do conhecimento, a saber: Ciências Humanas, Ciências da Saúde, Ciências Sociais Aplicadas, Interdisciplinar e Linguística, Letras e Artes, nas quais 11 Programas de Pós-Graduação trataram da temática desde o ano 2000 de maneira contínua. Nesses mesmos Programas de Pós-Graduação, verificou-se que 31 pesquisadores de diferentes departamentos têm orientado teses e dissertações vinculadas à temática Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Azilton Ferreira Viana, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais(1997) e mestrado em Ciências da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais(2017). Tem experiência na área de Ciência da Informação. Atuando principalmente nos seguintes temas:produção científica, estudo bibliométrico, segmento LGBT.

Dalgiza Andrade Oliveira, Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Escola de Ciência da Informação/Programa de Pós-Graduação em Gestão da Organização e do Conhecimento e Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação da Universidade Federal de Minas Gerais. Doutora em Ciência da Informação pela Universidade Federal de Minas Gerais (PPGCI/UFMG-2011). Mestre em Ciência da Informação (PPGCI/UFMG-2005). Bacharel em Biblioteconomia (Escola de Biblioteconomia/UFMG-1991). Coordenadora do Programa Carro-Biblioteca/ECI (10/2013-10/2015). Tem experiência na área de Ciência da Informação e Biblioteconomia, atuando principalmente nos seguintes temas: fontes de informação, cidadania, prática informacional, comunicação científica e estudos bibliométricos, pesquisa cientifica, deontologia biblioteconômica, mercado de trabalho, formação e desenvolvimento de coleções, bibliotecas públicas e bibliotecas escolares. Ministra disciplinas sobre Recursos e Serviços de Informação. Diretora Técnica, Coordenadora do Grupo de Trabalho de Assuntos Parlamentares e Membro da Comissão de Legislação e Normas do Conselho Federal de Biblioteconomia - 17ª Gestão (2016/2018).

Referências

ALMEIDA, Neil Franco Pereira de. A diversidade entra na escola: história de professores e professoras que transitam pelas fronteiras das sexualidades e do gênero. 2009. 239 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2009.

ALVARADO, Rubén Urbizagástegui. A Bibliometria: história, legitimação e estrutura. In: TOUTAIN, Lídia Maria Batista Brandão (Org.) Para entender a Ciência da informação. Salvador: EDUFBA, 2012, 239p.

BRASIL, Constituição (1988). Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988. 35 ed. Brasília: Edições Câmara, 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm>. Acesso em: 19 set. 2016.

BUCKLAND, Michael. Keeble.Information as thing.Journal of the American society for Information Science (JASIS), v. 45, n. 5, p. 351-360, 1991.

CAPURRO, Rafael. Epistemologia e ciência da informação. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2003, Belo Horizonte. Anais... Belo Horizonte: Associação Nacional de Pesquisa e Pós Graduação em Ciência da Informação e Biblioteconomia, 2003.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, v. 3, 1999, 497p.

CONDE, Michele Cunha Franco. O movimento homossexual brasileiro, sua trajetória e seu papel na ampliação do exercício da cidadania. 2004. 350 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2004.

FACCHINI, Regina. “Sopa de letrinhas”? – movimento homossexual e produção de identidades coletivas nos anos 90: um estudo a partir da cidade de São Paulo. 2002. 241 f. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP), Campinas, 2002.

FROHMANN, Bernd. O caráter social, material e público da informação. In: FUJITA, Mariângela Spotti Lopes; MARTELETO, Regina Maria; LARA, Marilda Lopes Ginez de (org.). A dimensão epistemológica da ciência da informação e suas interfaces técnicas, políticas e institucionais nos processos de produção, acesso e disseminação da informação. São Paulo: Cultura Acadêmica; Marília: Fundepe, 2008, 268p.

GINGRAS, Yves. Os desafios da avaliação da pesquisa: o bom uso da bibliometria. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 2016. 148p.

GUIRADO, Jane Rodrigues. Produção científica da área das Ciências Biológicas da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) indexada na base de dados Web of Science e SCOPUS (2007-2012). 2015. 213f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

KUHN, Thomas Samuel. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 2007, 254p.

MOTT, Luiz. Homo-afetividade e direitos humanos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 509-521, maio/ago. 2006.

MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. Literatura científica, comunicação científica e ciência da informação. In: TOUTAIN, Lídia Maria Batista Brandão (Org.) Para entender a Ciência da informação. Salvador: EDUFBA, 2012, 239p.

REALE, Giovanni; ANTISERI, Dario. História da filosofia: do Humanismo a Kant. 8 ed. São Paulo: Edições Paulinas, v. 2, 1990, 950p.

RENDÓN ROJAS, Miguel Ángel. Relación entre los conceptos: información, conocimiento y valor. Semejanzas y diferencias. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 2, p. 52-61, maio/ago. 2005. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ci/v34n2/28555.pdf>. Acesso em: 20 abr. 2015.

ROBREDO, Jaime. Filosofia da ciência da informação ou Ciência da informação e filosofia? In: TOUTAIN, Lídia Maria Batista Brandão (Org.) Para entender a Ciência da informação. Salvador: EDUFBA, 2012, 239p.

SEVERINO, Antonio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23 ed. rev. e atual. São Paulo: Cortez, 2007, 304p.

SIMÕES, Júlio. Assis; FACCHINI, Regina. Na trilha do arco-íris: do movimento homossexual ao LGBT. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2009, 191p.

SOUZA, Edivanio Duarte de; OLIVEIRA, Dalgiza Andrade. A análise documentária no Grupo Temma: dos indícios às evidências da formação de unidades discursivas. Ci Inf. Brasília, v. 36, n. 2, p. 74-84, maio/ago. 2007. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-19652007000200008> Acesso em: 22 out. 2015.

VIANA, Azilton Ferreira. A produção científica acerca da temática LGBT: um estudo propedêutico nas teses e dissertações na UFMG. 2017. 145f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

VIEIRA, Rodrigo. Produção científica brasileira sobre terceiro setor: uma análise bibliométrica e cienciométrica baseada no Banco de Teses da CAPES. 2011. 168 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

ZIMAN, John. Conhecimento público. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 1979, 178p.

Publicado
2018-06-06
Como Citar
Viana, A., & Oliveira, D. (2018). A produção científica acerca da temática LGBT. Tendências Da Pesquisa Brasileira Em Ciência Da Informação, 10(2). Recuperado de http://ejournal.space/tpbci/index.php/tpbci/article/view/86
Seção
Artigos