As temáticas africana e afro-brasileira em Biblioteconomia e Ciência da Informação

  • Franciéle Carneiro Garcês da Silva Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia https://orcid.org/0000-0002-2828-416X
  • Daniella Camara Pizarro Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Gustavo Silva Saldanha Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia https://orcid.org/0000-0002-7679-8552
Palavras-chave: Cultura Africana e Afro-brasileira, Biblioteconomia – Ensino, Relações Étnico-raciais

Resumo

Este trabalho enfoca um dos problemas centrais da construção do discurso informacional, e procura reconhecer o desenvolvimento (ou a ausência) das temáticas africana e afro-brasileira na constituição do bibliotecário brasileiro. A partir das problemáticas epistemológicas e historiográficas lançadas, pretende-se ampliar a discussão sobre as temáticas nas práticas docentes, bem como a importância manifestada em relação à História e Cultura Africana e Afro-brasileira na formação do bibliotecário, em diálogo com a crítica epistemológica de constituição do campo informacional no cenário mundial e seu impacto no pensamento biblioteconômico-informacional brasileiro. O referencial teórico que sustenta o debate compõe-se dos seguintes elementos: a branquitude e mito da democracia racial, o movimento negro e a inclusão da temáticas africana e afro-brasileira no currículo escolar, o ensino de biblioteconomia no Brasil e a construção de uma epistemologia histórica crítica para os estudos informacionais. O plano empírico da pesquisa consiste em uma modalidade metodológico-aplicada, exploratória e descritiva. Indicamos que este estudo possui uma natureza estruturalmente qualitativa, o que demarca a necessidade de um corpus reduzido com foco em apenas um contexto pré-delimitado, a saber, a amostra de uma comunidade específica de docentes em Biblioteconomia. O universo da pesquisa é formado de professores do Departamento de Biblioteconomia de uma universidade estadual da Região Sul do Brasil. Estes participantes responderam a uma entrevista semiestruturada, na qual a técnica de análise utilizada foi a do Discurso do Sujeito Coletivo. Nesse sentido, o Discurso do Sujeito Coletivo possibilita a representação social do coletivo estudado e sua manifestação sobre as temáticas em questão. Com base no referencial teórico que ancorou o debate para a fundamentação discursiva da etapa analítica concluiu-se que as temáticas estão pouco inseridas nas práticas docentes e nas matrizes curriculares do curso de Biblioteconomia, apesar dos docentes atribuírem importância à ela. Portanto, entende-se que as formações são influenciadas por um processo de ocupação de cargos docentes para disciplinas cada vez mais gerenciais e tecnológicas e a investigação científica fomenta ainda mais uma trajetória curricular fundada em um discurso do sujeito afastado dos dilemas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciéle Carneiro Garcês da Silva, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT) convênio com a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). É Bacharela em Biblioteconomia - Habilitação em Gestão da Informação (2013 - 2016) pela Universidade do Estado de Santa Catarina (UDESC). Compõe o quadro de integrantes do Grupo de Pesquisa Ecce Liber: Filosofia, linguagem e organização dos saberes. É membro do Satélites em Organização Ordinária dos Saberes Socialmente Oprimidos (O²S².sat) vinculado ao Grupo de Pesquisa Ecce Liber. É membro da equipe gestora 2018-2020 da Associação Catarinense de Bibliotecários (ACB), ocupando o cargo de Diretora de Marketing e Divulgação. Faz parte do Conselho Editorial da Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina atuando como editora de layout. É representante discente suplente no Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação (IBICT-UFRJ). Participou como voluntária no Projeto Biblioteca de Referência do NEAB/UDESC (2013-2017). Participou como voluntária no Projeto Espaço de Referência Ações Afirmativas, do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros (NEAB/UDESC) (2013-2015) e foi bolsista de iniciação científica no projeto de pesquisa Ser alfabetizador(a) no olhar de quem se alfabetiza: uma abordagem fenomenológica, do Grupo de pesquisa Didática e Formação Docente - GpDD (2016). Temas de pesquisa: Ensino de Biblioteconomia e Ciência da Informação, Black Librarianship, Representações Sociais, Temática Africana e Afro-brasileira e Educação das Relações Étnico-Raciais, Mídias sociais, Bibliotecas especializadas, NEABs.

Daniella Camara Pizarro, Universidade do Estado de Santa Catarina

Professora adjunta do Departamento de Biblioteconomia e Gestão da Informação (DBI /FAED) da Universidade Estadual de Santa Catarina - UDESC. Atua no ensino de Biblioteconomia com habilitação em Gestão da Informação e no Programa de Pós-Graduação em Gestão da Informação da UDESC. Doutora em Ciência da Informação e está vinculada ao Grupo de Pesquisa em Cultura Impressa e Digital (GP-CiDi) e ao Grupo Informação, Tecnologia e Sociedade (GRITS). Tem como enfoque de pesquisa e extensão o multiculturalismo na Biblioteconomia e Ciência da Informação, o ensino de Biblioteconomia, a formação e atuação ética e política do Bibliotecário, bem como suas representações sociais coletivas; e ainda, questões relacionadas às bibliotecas especiais, especialmente, as de unidades penais (frequentemente identificadas com o termo "biblioteca prisional").

Gustavo Silva Saldanha, Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia

Pesquisador Adjunto do Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia (IBICT), Professor Adjunto da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Atua como docente nos programas de pós-graduação em Ciência da Informação do IBICT e em Biblioteconomia da UNIRIO. É líder do grupo de pesquisa Ecce Liber: filosofia, linguagem e organização dos saberes (IBICT). É membro, desde 2017, da equipe "Médiations en information ? communication spécialisée" do Laboratoire d'Études et de Recherches Appliquées en Sciences Sociales (Lerass) da Université Toulouse III Paul Sabatier, França; desde 2008, da Rede Franco-Brasileira de Mediações e Usos Sociais dos Saberes e da Informação (Rede Mussi) e, desde 2014, do International Center for Information Ethics (ICIE). Foi vice-coordenador na gestão 2015-2016 do Grupo de Trabalho 1 (Estudos históricos e epistemológicos da Ciência da Informação) da Associação Nacional de Pesquisa e Pós-Graduação em Ciência da Informação (ANCIB). Possui graduação em Biblioteconomia (UFMG-2006), especialização em Filosofia Medieval pela (Faculdade São Bento-RJ-2010), mestrado em Ciência da Informação (UFMG-2008), doutorado em Ciência da Informação (IBICT-UFRJ). Atualmente realiza estágio pós-doutoral na Université Toulouse III, Toulouse, França, com o projeto "Outras margens de fundamentação epistemológico-histórica da ciência da informação".

Referências

ALMEIDA, N. B. F. de. Biblioteconomia no Brasil: análise dos fatos históricos da criação e do desenvolvimento do ensino. 160 f., 2012. Dissertação (Mestrado) - Universidade de Brasília; Faculdade de Ciência da Informação (FCI), Brasília (DF), 2012.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução nº 1, de 17 de julho de 2004. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações ÉtnicoRaciais

e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de junho de 2004, Seção 1, p. 11.

BERGER, P.; LUCKMANN, T. A Construção Social da Realidade: tratado de sociologia do conhecimento, trad. Floriano Fernandes, 4ª ed. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 1978.

BOTTENTUIT, A; CASTRO, C. Movimento Fundador da Biblioteconomia no Maranhão. São Luís: Impresa Universitária, 2000.

BRASIL. Câmara dos Deputados. LDB: Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. 5. ed. Brasília: Câmara dos Deputados, Coordenação Edições Câmara, 2010.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara Superior de Educação. Parecer CNE/CES nº 492, de 3 de abril de 2001. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2001a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Câmara Superior de Educação. Parecer CNE/CES nº 1.363, de 12 de dezembro de 2001. Diário Oficial da União, Brasília (DF), 2001b.

BRASIL. Presidência da República. Lei n° 10.639/03, de 09 de janeiro de 2003. Brasília (DF), 2003.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. CNE/CP Resolução 01/2004. Diário Oficial da União, Brasília, 22 de junho de 2004, Seção 1, p. 11. 2004a.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer N.º CNE/CP 003/2004, de 19 de Maio de 2004. Diário Oficial da União, Brasília(DF), 2004b.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.645, de 10 de março de 2008. Diário Oficial da União, Brasília(DF), 2008.

CARDOSO, F. do C. O negro na biblioteca: medicação da informação para a construção da identidade negra. Curitiba: CRV, 2015. 114 p.

CARDOSO, L. O branco “invisível”: um estudo sobre a emergência da branquitude nas pesquisas sobre as relações raciais no Brasil (1957-2007). (Dissertação de mestrado) – Universidade de Coimbra, Faculdade de Economia e Centro de Estudos Sociais, 2008.

CARDOSO, L. O Branco-Objeto: o Movimento Negro situando a Branquitude. Instrumento: Revista de Estudo e Pesquisa em Educação. Juiz de Fora, v. 13, n. 1, jan./jun. 2011.

DAY, R. Poststructuralism and information studies. Annual review of information scicence social and technology (ARIST), v. 39, p. 575-609, 2005.

DAY, R. The Modern invention of information: discourse, history and power. Illinois: Southern Illinois University Press, 2001.

DOMINGUES, P. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo. 2007, v. 12, n. 23, p.100-122.

ESTIVALS, R. A Dialética contraditória e complementar do escrito e do documento. R. Esc. Bibliotecon. UFMG, Belo Horizonte, v. 10, n. 2, p. 121-152, set. 1981.

FANON, F. Peles Negras, Máscaras brancas. Tradução de Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FONSECA, M. V. A educação dos negros: uma nova face do processo de abolição da escravidão no Brasil. Bragança Paulista: ESUSF, 2002.

FROHMANN, B. Documentation redux: prolegomenon to (another) philosophy of information. Library Trends, v. 52, n. 3, p. 387-407, win. 2004.

FROHMANN, B. Rules of indexing: a critique of mentalism in information retrieval theory. Journal of Documentation, v. 46, n. 2, jun. 1990.

GARCÍA GUTIÉRREZ, Antonio. Epistemología de la Documentación. Barcelona: Stonberg Editorial, 2011.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA; D. T. (Org.) Métodos de Pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. 120 p.

GORDON, L. Prefácio. In: FANON, F. Peles Negras, Máscaras brancas. Tradução de Renato da

Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

GUIMARÃES, A. S. A. A questão racial na política brasileira (os últimos quinze anos). Tempo Social: Revista de Sociologia da USP, São Paulo, 13 (2): 121-142, novembro de 2001.

FERREIRA, M. L. A. G.; CALDEIRA, P. da T.; BAHIA, M. A.; ARAÚJO, M. E. B. Currículo Mínimo de Biblioteconomia. Revista da Escola de Biblioteconomia da UFMG, Belo Horizonte, v. 6, n. 1, p. 92-99, mar. 1977.

LEFREVE, A. M. C.; CRESTANA, M. F.; CORNETTA, V. K. A utilização da metodologia do discurso do sujeito coletivo na avaliação qualitativa dos cursos de especialização “Capacitação e Desenvolvimento de Recursos Humanos em Saúde-CADRHU”, São Paulo – 2002. Saúde e Sociedade, v. 12, n. 2, p. 68-75, Jul./Dez., 2003.

LEFREVE, F.; LEFREVE, A. M. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Liber Livro Editora, 2005. 97 p.

MOSCOVICI, S. Representações Sociais: Investigações em Psicologia Social. Trad. Pedrinho A. Guareschi. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2009. 404 p.

MOSTAFA, S. P. Epistemologia da Biblioteconomia. 1985. 147 f. Tese (Doutorado). Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 1985.

PASSOS, J. C. As Relações Étnico-Raciais nas Licenciaturas: O que dizem os Currículos Anunciados. Poiésis, Tubarão. v.8, n.13, p. 172 - 188, Jan/Jun, 2014a.

PASSOS, J. C. dos P. Juventude Negra: escolarização e herança das desigualdades no Brasil Contemporâneo. In: SCHERER-WARREN, Ilse; PASSOS, Joana Célia dos Passos (Orgs.). Relações Étnico-Raciais nas Universidades: os controversos caminhos da inclusão. Florianópolis: Atilènde, 2014b. 148 p.

PEREIRA, A. A. O “Atlântico Negro” e a constituição do Movimento Negro Contemporâneo. Perseu, n. 1, v. 1, 2007.

RAMOS, A. G. Introdução crítica à sociologia brasileira. Rio de Janeiro: Andes. 1957.

RAYWARD, W.B. The History and historiography of information science: some reflections. Information and Management, v. 32, n. 1, p. 3-17, 1996.

ROUBAKINE, N. Introduction a la psychologie bibliologique; v.1 Paris: Association Internacionale de Bibliologie, 1998a.

ROUBAKINE, N. Introduction a la psychologie bibliologique; v.2. Paris: Association Internacionale de Bibliologie, 1998b.

SANTOS, J. P. Reflexões sobre Currículo e Legislação na área da Biblioteconomia. Encontros Bibli: Revista Eletrônica de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 3, n. 6, 1998.

SCHUCMAN, L. V. Entre o Encardido o Branco e o Branquíssimo: Branquitude Hierarquia e Poder na Cidade de São Paulo. 1. ed. São Paulo: Annablume, 2014. v. 1. 191 p.

SHERA, J. H. Epistemologia Social, semântica geral e biblioteconomia. Ciência da Informação, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 9-12, 1977.

SILVA, L. K. R. da; AQUINO, M. de A. Bamidelê: por uma Sociologia da Informação Étnico-Racial na organização das Mulheres Negras da Paraíba. Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação e Biblioteconomia, João Pessoa, v. 8, n. 1, p. 001-010, 2013.

SILVA, F. C. G. da. A inserção da temática Africana e Afro-brasileira no ensino de Biblioteconomia da Universidade do Estado de Santa Catarina. 2016. 164 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) – Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

SOUZA, F. das C. de. O Modelo Educacional e seu Impacto sobre a Dimensão Pedagógica da Ciência da Informação. Em Questão, Porto Alegre, v. 10, n. 1, p. 123-142, jan./jun. 2004

SOVIK, L. Aqui ninguém é branco: hegemonia branca no Brasil. In: WARE, V. (Org.). Branquidade: identidade branca e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Garamond. 2004.

:2002.

Publicado
2018-06-06
Como Citar
Silva, F., Pizarro, D., & Saldanha, G. (2018). As temáticas africana e afro-brasileira em Biblioteconomia e Ciência da Informação. Tendências Da Pesquisa Brasileira Em Ciência Da Informação, 10(2). Recuperado de http://ejournal.space/tpbci/index.php/tpbci/article/view/92
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)